quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Por tempo limitado, há permissão para sonhar

“De onde menos se espera, é de lá que não sai nada mesmo”. O autor dessa frase até deve ser famoso, mas eu não lembro o nome e não vale a pena pesquisar, porque ela foi destruída na noite de quarta-feira. Pela Libertadores, um Sport nunca cotado para grandes coisas internacionais (e cujo jogo não foi transmitido pelas tevês) foi ao Chile e derrubou o Colo-Colo por 1 a 2, e o favorito São Paulo quase teve o pelego arrancado pelo Independiente de Medellín no Morumbi, salvando o empate por 1 a 1 nos acréscimos. O grande lugar inesperado de onde saiu algo diferente, porém, foi o interior do Mato Grosso, onde o União de Rondonópolis bateu o Internacional por 1 a 0.

Esse jogo de Copa do Brasil, que agora se chama Copa Kia, numa homenagem involuntária ao antigo mandachuva do Corinthians/MSI, esse jogo era tão jogado que para o noticiário gaúcho parecia importar mais o avião fretado pelo Inter do que a própria preparação para a partida. Do União, dizia-se o clichê dos times mato-grossenses quando encaram adversários do sul: a direção e a torcida estavam repletas de colorados, e o time não poderia fazer frente ao Inter.

Até porque vinha mal. Embora Rondonópolis seja rica o suficiente para manter três times ativos no estadual de lá, e o União seja o clube que mais gasta no Mato Grosso (só para ter Odvan, que é Odvan, paga QUINZE MIL REAIS), os resultados têm deprimido: em seis rodadas do Mato-Grossense, só uma vitória. Com o time em sexto lugar num grupo em que o sétimo e o oitavo são rebaixados, não poderia dar outra além de demissão do treinador que começou 2009 no comando da equipe. Ex-jogador do Grêmio, que chegou a dizer que queria golear o Inter na Copa, Valdo foi o técnico guilhotinado ainda na semana passada, antes do torneio eliminatório, e substituído por Zé Humberto.

Além do momento, há a história negativa do rubro rondonopolitano. No site oficial do clube você pode encontrar a letra do hino, e uma das linhas diz: Vibra União, mais uma vês ele vai ser o campeão – a missão aí é saber se o absurdo maior foi trocar o substantivo vez pelo verbo ver ou se é dizer que o time vai ser campeão de novo. Porque o União nunca foi campeão do torneio que interessa, o estadual. O clube é provavelmente o mais amaldiçoado em finais na história universal, tendo sido NOVE VEZES vice-campeão da terra onde se matam grossos (1975, 1980, 1984, 1991, 1995, 1997, 2001, 2004 e 2008), jamais conquistando o título. Para piorar, seu rival citadino Vila Aurora voltou ao profissionalismo em 2001 e quatro anos depois já erguia o troféu do Estado.
Por essas e outras que os onze jogadores do time da casa, ontem à noite, eram touros que bufavam e babavam querendo a vitória nem que tivessem que coicear desde o D’Alessandro até o Vitório Píffero. Zé não poderia ter ensinado uma mecânica de jogo diferente nem um futebol melhor aos jogadores em tão pouco tempo: ficou tudo por conta da motivação natural da troca de comando somada à oportunidade de bater um time da Série A brasileira.

Assim, o União foi o único pequeno a bater um time da Série A brasileira na quarta-feira.

Depois de ver como os colorados criaram chances sucessivas e as desperdiçaram com destreza ímpar durante todo o primeiro tempo, o rubro de Rondonópolis cresceu nos quarenta e cinco minutos finais. Aos 80, cometeu o absurdo: Diogo fez 1 a 0. Abria-se a primeira vitória do União na história da Copa do Brasil. Duramente golpeada, a maldição do fracasso despertou do seu cochilo na sequência. Se não foi capaz de recuperar o resultado pro Inter, que conheceu a derrota número um do ano do centenário, ela segurou o placar: nos acréscimos, mandou na trave esquerda de Lauro a bola do sonhado segundo gol.

Mas a vitória pelo placar mínimo veio mesmo. Numa rádio rondonopolitana, ironizavam: “o Inter ganhou tudo, só não ganhou do União”. Deve ganhar na volta, em Porto Alegre, e passar de fase. Mas esta é a madrugada do União de Rondonópolis. Nela, permite-se aos realizados torcedores do clube sonhar com qualquer coisa, com o quase impossível, sonhar em avançar na Copa do Brasil e seguir derrubando adversários, quem sabe até a final. Só até aí, também. Nem na hipótese o União deixaria de ser vice.

3 comentários:

Rodrigo Bender disse...

tudo tem um lado bom:
1) apesar de eu ser colorado, é legal ver um time TÃO pior que o meu ganhar, foi a maior vitoria da historia do UR, que depois será esquecida em POA

2) o zé ensinou o que é retranca ao tite

3) ODVAN!!!!!

4) O inter precisa melhorar

5) o jogo deu um bom texto

Rodrigo Bender disse...

mancehtes do site do Uniao: Antes e depois
*União venceu o Campeão do Mundo e da América na estréia de Zé Humberto.
*União venceu o Internacional de Porto Alegre com gol do atacante Diogol para mais de 10 mil pagantes.
*Craque de hoje Nilmar vai fazer gols? É bom conferir de perto. Vamos ao Luthero.
*Inter do craque Ruben Paz enfrentou o União em Julho de 1985O craque marcou dois.
*Corra; a venda de ingressos para ver o "Campeão de tudo" contra o União está acelerada.

Diego disse...

Mito.

E o Inter se desmantela, com a venda anunciada de Alex.