quarta-feira, 1 de julho de 2009

GRIZZO: um ibirubense levando o Tigre à história!

No Criciúma campeão de 1991, Grizzo é o quinto agachado a partir da esquerda

Colaboração especial de
Yuri Medeiros de Lima*

Ibirubá. Essa pacata cidadela gaúcha, situada a 300 quilômetros de Porto Alegre, com seus dezoito mil habitantes, não possui uma história cheia de fatos relevantes ou acontecimentos épicos. Porém, no início da década de noventa, teve um motivo para se orgulhar: um de seus filhos, ibirubense nato, destacava-se nacionalmente através das quatro linhas, na plaga catarinense de Criciúma.

Falo de Grizzo. O meio campista de apelido peculiar (e nome mais ainda: Vitalino Barzotto) recebeu tal alcunha já nos tempos de guri, quando seus avós, descendentes de italianos, insistiam em chamá-lo de grigio, em referência aos cabelos loiros que ele, na época, ostentava. Logo, o apelido foi abrasileirado e, mais adiante, talhado na história do futebol catarinense: Grizzo fez parte daquele pequeno grande time do Criciúma, treinado por Luiz Felipe Scolari, que alcançou a gloria maior de sagrar-se campeão da Copa do Brasil em 1991.

Aliás, Grizzo não somente fez parte do grupo. Grizzo era titular e peça fundamental no esquema do meio-campo de Felipão. Não obstante, aquele místico pedaço de pano com o número 10 nas costas o pertencia. E tal posse, certamente, não era em vão.

A equipe do Criciúma, após ter ganhado a Copa e feito honrosa campanha na Libertadores de 1992, gozava de considerável respeito a nível nacional. Entretanto, todas essas glórias tiveram um ponto de partida, um marco zero. E tal ponto foi demarcado por Grizzo. O primeiro tento assinalado, a primeira balançada de capim do fundo do gol (como diria o narrador) de toda a trajetória vitoriosa do Tigre veio do tal camisa 10, como se fosse um Moisés a abrir o mar que levava aos louros. Naquele fevereiro de 1991, contra o humilde Ubiratan, Grizzo fazia as apresentações daquele time que logo encheria os olhos do país.

Como se não bastasse, Grizzo reforçou o recado: no jogo de volta, mais um gol. Todos aqueles pouco mais de oito mil torcedores que estavam no Heriberto Hülse, ainda sem saber o que o destino lhes reservava, começaram a crer que havia uma esperança naqueles que vestiam amarelo, preto e branco.

E não parou por aí. Grizzo continuava a honrar sua titularidade e aqueles dois algarismos em suas costas: mexeu no escore contra o Goiás, pelas quartas-de-final. E se hoje pouco se recorda de Grizzo, é por culpa de pequenos detalhes. Na final contra o Grêmio, em pleno Olímpico, o meia esteve muito perto de fazer o gol da vitória do Tigre. Após cobrança de falta de Sarandi, Grizzo adianta-se ao marcador e, quase dentro da pequena área, desvia a pelota com a tampa da cabeça. Talvez por obra dos Deuses do Futebol, que queriam uma final com emoção até o fim, a bola foi caprichosamente do lado de fora das traves do tricolor gaúcho. Seria o gol que liquidaria de vez a fatura. Seria o gol que faria todos voltarem os olhos àquele menino da grande (sic) Ibirubá!

Grizzo teve passagens como jogador por times do porte de Caxias, Juventude, Avaí, Náutico, Pelotas, Avenida, São José, Ponte Preta (onde foi vice-campeão da série B do Brasileirão), além da marcante passagem, já nos seus quarenta anos de idade, pelo Juventude de Ibirubá, onde sagrou-se campeão estadual de amadores. Hoje, com 46 anos recém completados, carequinha, mantendo a baixa estatura e a raça característica, Grizzo comanda de fora do campo o Imbituba, na divisão especial do campeonato catarinense. Entretanto, acima e antes de tudo, Grizzo foi referência daquela pequena grande equipe catarinense naquela surpreendente empreitada. E foi por esse grande feito que eu, ibirubense nato, conheci o meu mais famoso conterrâneo.

* Ibirubense radicado em Santa Maria.

Um comentário:

marcos disse...

parabens pela materia de nosso grizzo...ele é o cara,só que na foto ele é o quinto eu acho...parabens pelo blog,por tudo as materias de voces sao fantasticas para que é apaixonado por futebol,gostaria se fosse possível uma materia sobre o amador 2009,em especial o gremio de ibirubá e tbem colocar que em ibiruba vai ser a sede o sulamericano de amador 2009...parabens e um abraçao