terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Perfil: Andrezinho

Andrezinho? Antes de 2008, se você perguntasse a qualquer gaúcho quem era esse jogador, esta seria a provável resposta.
Enquanto o Internacional, em 2008, fazia sua pré-temporada em Dubai e disputava a Dubai Cup, em Porto Alegre dois reforços treinavam com cinco ou seis atletas não-relacionados para compor o elenco que fora aos EAU. E um deles era Andrezinho.
“Tsc, destaque da K-League, quero ver...”, dizia o meu amigo Lucas, colorado dos mais exigentes.
Após o jogo contra o Stuttgart, Abel e Edinho falaram sobre o reforço. Coincidência ou não, dois cariocas.
- Ele joga muito! - afirmou o treinador do Inter, que trabalhara com ele no Flamengo, clube formador de Andrezinho.
- Ele era um segundo atacante. Depois passou para a meia. É um jogador muito habilidoso e com boa velocidade – comentou Edinho, que já tinha jogado contra ele em torneios de base no Rio.
Algo me dizia que esse cara podia dar certo. Era um meia destro, de boa altura, que já tinha jogado na base da seleção brasileira. Resolvi então var sua “ficha” no Fifa. Ele era chamado de “Tavares”, usava a 10 e era o segundo melhor do time.

Durante o Gauchão, ele foi entrando, sempre se movimentava bem, bons passes. Mas faltava fazer jogadas de efeito e marcar.
A redenção veio no Inter e Paraná. Depois de um perder por 2 fora, o colorado venceu por 5 a 1 depois de sair perdendo. Foram dois gols e uma assistência de Andrezinho. Ele mesmo comentou: “Eu entrava, entrava, e professor Abel sempre comentava depois que faltava o gol. Hoje ele veio.”

Mas ele não manteve o bom futebol daquela partida. As atuações era lamentáveis. Ele mostrava-se lento, perdia gols... Lembro-me que o Guerrinha, da Rádio Gaúcha, comentou um dia: “Pior que o Pinga!”.

O tempo foi passando e na metade do ano o meia recuperou o bom futebol. Começamos a descobrir como ele jogava. Seu triunfo eram as assistências. Mas vieram Daniel Carvalho e D’Alessandro e ele, vez ou outra, nem banco era. Até que Tite começou a apostar no atleta para substituir Guinãzú ou Magrão, na terceira função. Em La Bombonera, Andrezinho mostrou muita tranqüilidade e bom futebol, terminando o ano com um saldo positivo, depois de várias boas atuações.

E o Inter renovou com ele. O próprio jogador declarou que era muito bom estar no colorado num ano tão especial. Andrezinho virou uma espécie de curinga, entrando de volante, meia ou atacante. Tem gente que ainda pega no pé dele, mas então me pergunto: que melhor reserva poderíamos ter? Ele não reclama da reserva. Faz três funções e tem bom passe e movimentação, visão de jogo, um desarme satisfatório, velocidade sem bola e, principalmente, um futebol sem rodeios.

Um comentário:

Lucas Pavim disse...

ñ autorizei usar 1 fala minha... kkkkkk
mas é verdade, o andrézinho melhorou muito! eh andrézinho e mais 10... kkkkk.
prbéns pelo blog