segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

O Pachuca morreu logo

Se em 2006 o América fez fiasco, 2007 não reservou um destino muito diferente ao Pachuca no Mundial. Seus sonhos de grandeza, que vinham se desmanchando desde o meio do ano, foram definitivamente destruídos na madrugada de ontem.

Os torcedores e até a opinião geral acreditavam numa vitória com relativa tranqüilidade sobre os tunisianos do Étoile du Sahel. Projeções otimistas até apontavam que a equipe norte-americana poderia brigar pelo título, desde que apresentasse aquele futebol do final de 2006 e início de 2007. Esqueceram-se, porém, que o tempo passou, e o time decaiu muito desde lá.

Jogo fácil não houve, o placar tardou a mudar e o Étoile já havia se mostrado um adversário capaz de combater os mexicanos. Acabou provando ser capaz de vôos maiores. Com um gol próximo do final do confronto, já aos 85 minutos, o esforçado campeão da África superou o poderoso e rico representante da CONCACAF, avançando às semifinais, para encarar o Boca Juniors.

Surpreendente? Talvez para alguém que ainda tivesse a imagem do grande Pachuca de meses atrás - um time que havia acabado na final da Recopa Sul-Americana. Alguém lembra do desorganizado Internacional do técnico Gallo? Pois é, este Pachuca conseguiu levar 4-0 daquele time. Nova queda de uma equipe que chegou a se julgar a maior das Américas.

Um comentário:

Darcio disse...

Eu imagino a grossura do time mexicano. Deve ter sido de uma incompetência atroz para conseguir perder para os tunisinos.