terça-feira, 1 de maio de 2007

Liverpool à final

O Liverpool é o primeiro finalista desta edição UEFA Champions League. Em um jogo eletrizante, os "reds" superaram o Chelsea, no duelo inglês, e alcançam sua sétima final na principal competição européia:

Liverpool (ING) 1-0 Chelsea (ING) - [Pênaltis: 4-1]

Tendo perdido o jogo de ida por 1-0, o Liverpool sabia que precisava ir ao ataque se quisesse sustentar o sonho de chegar à final. Adotando desde o início uma postura agressiva, o time de Anfield Road encontrou um Chelsea excessivamente defensivo, por conta de desfalques e da vantagem obtida na partida de ida, fato que deixaria os "reds" em maior volume de jogo durante a maior parte do tempo. A tática cautelosa de José Mourinho, optando por segurar o empate, mostrou-se ineficiente diante de um Liverpool motivado e acabou fazendo apenas com que a equipe da casa atacasse mais e mais.

Tanta pressão daria resultado aos 22 minutos. Numa jogada ensaiada, o capitão Gerrard, ao invés de levantar a bola na área, como era esperado, preferiu rolá-la para o centro, onde o zagueiro Agger completou de primeira, no canto direito do goleiro Cech, que não pôde esboçar defesa diante da surpreendente jogada. 1-0 para o Liverpool, premiando a imensa superioridade do time, que àquela altura do jogo, permanecia com a posse de bola em aproximadamente 80% do tempo. Nos minutos que se seguiram, o Chelsea seguiu sem reagir, permitindo que a pressão dos "reds" continuasse, até o fim do primeiro tempo.

Na etapa final, o Chelsea voltou melhor e menos acovardado. Mesmo assim, a iniciativa continuava sendo da equipe da casa, que criou grandes chances durante boa parte do tempo, culminando com uma cabeçada de Kuyt, no travessão, aos 59 minutos. O time londrino só foi se tornar dono do jogo a partir dos 75 minutos, quando o Liverpool começou a reduzir o ritmo e deixar espaços aos "blues". Estas chances nos minutos finais quase trouxeram um empate ao Chelsea, mas a ineficiência de Drogba, alida às grandes defesas do goleiro Reina, impediram que o marcador de 1-0 fosse modificado. Com o resultado, repetindo o do primeiro jogo e igualando o placar agregado, a partida foi para a prorrogação de 30 minutos.

Exaustos, os dois times fizeram um duelo para ver quem errava menos no período extra. Todos sabiam que um gol do adversário poderia ser fatal, dado o pouco tempo para reação e a falta de fôlego para buscá-la. Buscando correr poucos riscos, os dois times proporcionaram uma prorrogação de poucas chances, que teve seu melhor momento num gol de Kuyt, do Liverpool, aos 101 minutos, anulado por impedimento. Com um placar inalterado, o jogo teria seu desfecho nas temidas cobranças de pênaltis, onde a linha que separa os heróis dos vilões é tênue.

Nos tiros livres da marca do pênalti, brilhou a estrela do arqueiro Reina e dos batedores do Liverpool: defendendo duas cobranças, o goleiro foi o principal nome da classificação, que se completou com o aproveitamento de 100% por parte dos cobradores, construindo o 4-1. Com o resultado, os "reds" classificam-se à sua sétima final de Copa dos Campeões da Europa, e irão para a decisão, em Atenas, esperançosos de levantar o troféu máximo do continente pela sexta vez. Ao Chelsea, ficou mais uma vez o estigma de "clube sem camisa", incapaz de impor na hora da decisão.

Um comentário:

izaias disse...

Liverpool x Milan - será a final!